Enzalutamide With Standard First- Line Therapy in Metastatic Prostate cancer

Por: Dra Andrezza Santos

O ENZAMET foi um estudo aberto de fase III publicado no The New England Journal of Medicine em 02 de Junho de 2019.

Nesse estudo 1.125 pacientes foram randomizados 1:1 para terapia padrão (supressão de testosterona associada a antiandrogênico periférico ou docetaxel) ou terapia padrão associada a enzalutamida 160mg/dia até progressão de doença ou toxicidade limitante.

Eram elegíveis para o estudo pacientes com adenocarcinoma de próstata metastático recém diagnosticados, com performance status (ECOG) <2 e pacientes previamente tratados de forma adjuvante se tivessem terminado a terapia de supressão de testosterona, no mínimo, 12 meses antes da randomização.

A terapia padrão era iniciada 12 semanas antes da randomização.

O Objetivo primário do estudo foi demonstrar benefício em sobrevida global com a associação de enzalutamida à terapia padrão.

Os pacientes foram randomizados de acordo com o volume de doença (alto ou baixo- critérios do estudo CHAARTED), uso ou não de docetaxel e uso de terapia de suporte ósseo.

As características entre os pacientes de ambos os grupos eram bem semelhantes. 52% deles apresentavam alto volume de doença e o tratamento com docetaxel foi planejado em 45% dos pacientes. Em torno de 12% tinham metástase visceral e 10% tinham sido tratados previamente em caráter adjuvante.

Após um seguimento mediando de 34 meses a terapia com enzalutamida resultou numa redução de 33% no risco de morte (HR-0.67; 95% [IC], 0.52 -0.86; P = 0.002), com mediana de sobrevida global ainda não alcançada. Os pacientes do braço experimental também apresentaram maior benefício em termos de sobrevida livre de progressão de PSA (em 03 anos 67% e 37% respectivamente; HR 0.39; 95% [IC], 0.33 – 0.47; P<0.001) e em sobrevida livre de progressão clínica (em 03 anos 68% e 41%, respectivamente; HR 0.40; 95% [IC], 0.33-0.49; P<0.001).

Com relação aos eventos adversos, crise convulsiva (1%) e fadiga (6%) foram mais comuns entre os pacientes tratados com enzalutamida. No grupo de pacientes que receberam enzalutamida associada ao docetaxel houve maior incidência de neuropatia periférica grau 2 (9%) se comparado ao grupo padrão + docetaxel (3%).

Os autores do estudo concluíram que enzalutamida oferece benefício em sobrevida global, sobrevida livre de progressão e sobrevida livre de progressão de PSA em pacientes com câncer de próstata metastático sensível à castração. No entanto, o ganho alcançado foi em 03 anos sendo necessário um seguimento mais longo para avaliar o benefício da terapia além desse período, e inclusive para avaliar o real benefício da associação com docetaxel, que foi mais tóxica e resultou apenas em benefício em sobrevida livre mas não em sobrevida global.

Author profile
Dra. Andrezza Santos
Médico Oncologista at Real Instituto de Oncologia

Residência em oncologia Clinica no Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira IMIP, Mestrado em cuidados paliativos pelo IMIP, Preceptora das residências de oncologia clínica do IMIP, Hospital Universitário Osvaldo Cruz -HUOC e do Real Hospital Português

× Olá, Como posso te ajudar?