Estudo RADICALS-RT: momento da radioterapia após prostatectomia para câncer de próstata

Por: Carolina Matias

O estudo RADICALS-RT foi um dos grandes destaques entre os trabalhos apresentados no congresso europeu de oncologia clínica (ESMO), ocorrido na cidade de Barcelona, de 27 de setembro a 1 de outubro de 2019.

Foi um estudo randomizado com 1396 pacientes após prostatectomia radical para radioterapia adjuvante até 22 semanas após cirurgia ou radioterapia de resgate apenas na recidiva bioquímica.

Essa era uma pergunta não respondida na área de urooncologia, visto que anteriormente haviam estudos discordantes em relação ao benefício da radioterapia adjuvante.

Foram incluídos pacientes com um ou mais dos seguintes fatores: T patológico (pT3 ou pT4), escore de Gleason 7 a 10, PSA pré-operatório ≥ 10ng/ml e margens positivas.

Esses homens foram aleatoriamente designados para receber radioterapia adjuvante ou para serem acompanhados e receber radioterapia de resgate somente se atingissem um limiar de 2 aumentos consecutivos dos níveis de PSA e PSA > 0,1ng / mL, ou três aumentos consecutivos nos níveis de PSA.

Os resultados deste estudo mostraram que o monitoramento após a prostatectomia e realização de radioterapia de resgate precoce produzem resultados de sobrevida livre de doença semelhantes aos obtidos com a radioterapia adjuvante.

Importante observar que a média de PSA no início da radioterapia de resgate foi de 0,2ng/ml, indicando que esta terapia foi bem precoce na recidiva bioquímica. Num seguimento mediano de 5 anos, apenas 33% dos pacientes no braço da radioterapia de resgate necessitaram iniciar a radioterapia.

Há um forte argumento com estes resultados de que a observação deve ser a abordagem padrão após a cirurgia e a radioterapia deve ser utilizada precocemente na recidiva bioquímica, poupando muitos homens dos efeitos colaterais da radioterapia. Aguardamos, porém,  os resultados a longo prazo em sobrevida livre de metástases e sobrevida global, bem como análises de subgrupo e análises moleculares sobre se existe benefício da radioterapia adjuvante para algum subgrupo de pacientes.

Author profile
Dra. Carolina Matias
Médica Oncologista at Real Instituto de Oncologia

Graduação em Medicina: Universidade Federal de Pernambuco.
Residência em Clínica Médica: Hospital das Clínicas da UFPE.
Residência em Oncologia Clínica: AC Camargo Cancer Center, São Paulo-SP.
Mestre em Medicina Tropical pela UFPE.
Tutora de medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde.
Preceptora da Residência de Oncologia Clínica do Real Hospital Português e do IMIP e da residência de clínica médica do Hospital Barão de Lucena

 
× Olá, Como posso te ajudar?